Século Diário – Seminário promove discussão crítica sobre agrotóxicos

Flavia Bernardes

O porquê do uso e as conseqüências do uso do agrotóxico foram temas do debate ‘Agrotóxico: para quê? E para quem?’, promovido em Vitória, nesta sexta-feira (19). Segundo os organizadores, o evento faz parte da Campanha Permanente contra o uso de agrotóxico e pela vida, de âmbito nacional, que visa a mudar quadros como o do Espírito Santo, em 2º lugar no ranking dos maiores consumidores de agrotóxico do País.

Durante todo o dia, movimentos ligados à Via Campesina no Estado, como o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Movimento Mulheres no Campo, Associação dos Programas em Tecnologias Alternativas (APTA), entre outros, analisaram e discutiram os reflexos do uso de agrotóxico no sistema latifundiário, assim como o que leva o País a ser o primeiro na lista de compradores de agrotóxico no mundo.

“Discutimos a política de inserção do agrotóxico no País desde a Segunda Gerra Mundial e temos ciência de que este é um projeto que gera a morte ao invés de gerar alimentos. Hoje, cada brasileiro consome em média 5,2 quilos de veneno por ano”, informou Bruno Eduardo Tilon, do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA).

Neste contexto, o seminário é uma tentativa de denunciar este modelo de exploração agrícola e anunciar novas formas de produção saudáveis, conforme é proposto pela produção agroecológica. Segundo Bruno Tilon, 51% do veneno comprado pelo Brasil se destinam à soja. “E mesmo com safras recordes ainda temos 16 milhões de pessoas na miséria e 40 milhões vivendo na insegurança alimentar”, denunciou ele.

Só de lucro para os vendedores de agrotóxico, o Brasil dá R$7 bilhões anuais, em meio a sérias denúncias de contaminação tanto por quem manipula os agrotóxicos como por quem consome estes alimentos. Sobre as doenças geradas pelo consumo de agrotóxico no País se fala muito pouco, alertam os agricultores, mas elas existem e ocorrem através do consumo dos alimentos de forma cumulativa.

No Espírito Santo existem relatos de crianças nascidas com deformações pelo uso dos venenos agrícolas. Os agrotóxicos também provocam mortes por doenças como cânceres. Muitos agricultores que aplicam os agrotóxicos se tornam impotentes sexuais, ficam deprimidos e se matam. Os venenos também afetam a sexualidade das mulheres, provocando frigidez. Há casos ainda de envenenamento e mutilação.

“É necessário abrir os olhos para uma produção através da agroecologia, a de base, que já existe e que ainda não há políticas públicas para chegar à mesa do consumidor por um bom preço. O objetivo da produção familiar é matar a fome, preservar o meio ambiente e, assim, construir um País melhor e não produzir commodities”, desabafou Bruno Tilon.

Ao todo, 50 organizações de todo o País apoiam a Campanha Permanente contra o uso de Agrotóxico e pela Vida. No Estado, além das entidades já citadas, o movimento é apoiado também pelo Observatório das Questões Agrárias da Universidade de São Paulo e pelas Escolas Famílias.

Outros temas também debatidos no seminário foram: ‘Estudo sobre o agrotóxico e a legislação’; ‘Agrotóxico e a propaganda’ e ‘Agrotóxico e a comercialização de alimentos’.

Este último, segundo Bruno, enfatizou como levar a comida produzida de forma agroecológica no Espírito Santo em um preço justo para os capixabas.

Os resultados do seminário serão apresentados em um documento, na próxima semana, segundo o MPA.

Link direto em: http://www.seculodiario.com.br/exibir_not.asp?id=16832

Anúncios
Esse post foi publicado em Agrotóxicos, Campanha, Nos estados. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s