Conexão Brasília Maranhão – Grotesco: ruralistas debocham de assassinato de ambientalistas

A Carta Capital registrou em seu site. “Grotesco” foi o termo utilizado pelo deputado Sarney Filho (PV-MA) para se referir às vaias que recebeu da claque ruralista quando anunciava na tribuna o assassinato de dois ambientalistas do Pará.

Em média, pelo menos um líder sindical ou militante de movimento social é assassinado a cada semana no Brasil.

O número resulta de fatos completamente ignorados ou minorizados pelos grandes meios de comunicação. Neste caso, pode-se dizer que a mídia comercial é o pano que limpa as impressões digitais (dos jagunços do agronegócio) na arma do crime.

Na história recente, os dois únicos casos que tiveram a devida repercussão — isso apenas porque geraram reações internacionais — foram os assassinatos do seringueiro Chico Mendes e da missionária estadunidense Dorothy Stang. A esses somam-se o Massacre de Eldorado dos Carajás e as chacinas de Unaí e Felisburgo.

A repercussão midiática nestes poucos casos, porém, não foi suficiente para garantir a Justiça. Outra matéria da Carta Capital traz números sobre a impunidade da turma dos barões do latifúndio:

“Nos últimos 25 anos, 1.614 pessoas foram assassinadas no Brasil em decorrência de conflitos no campo. Até hoje, apenas 91 casos foram julgados – e resultaram na condenação de 21 mandantes e 72 executores. Isso significa que a Justiça no Brasil levou às grades um criminoso para cada 17 pessoas assassinadas em todos esses anos.”
Clique aqui para ler a materia na íntegra (destaque meu)

Tão acostumados à impunidade e à baixa repercussão de seus atos criminosos, os ruralistas banalizaram a violência e o anúncio do assassinato de ambientalistas foi motivo para deboche.

A vaia não era apenas para o deputado e o anúncio que este fazia. Era, sobretudo, para a luta que movimentos sociais e entidades da sociedade civil travam no dia a dia contra a razão das armas e do dinheiro (que compra até comunista).

O caso me faz pensar em uma pergunta para a qual é difícil encontrar resposta racional: que tipo de pessoa é capaz de se comprazer com o assassinato covarde de alguém.

Não basta matar, tem que vaiar.

Assista ao vídeo abaixo e confira as vaias a Sarney Filho enquanto ele denunciava o assassinato de José Cláudio Ribeiro da Silva e sua esposa, Maria do Espírito Santo, executados em Nova Ipixuna, sudeste do Pará, por pistoleiros a soldo da turma que agora trata um deputado comunista como herói.

Ruralistas vaiam anúncio de morte de ambientalista

Abaixo reproduzo a matéria de Daniela Chiaretti, do Valor Econômico, sobre o episódio.

PS: Esse post eu dedico ao Paulo Henrique Amorim e ao seu Conversa Afiada, que viraram defensores tardios dos ruralistas e papagaios dos pseudonacionalistas.

Link direto em: http://brasiliamaranhao.wordpress.com/2011/05/26/ruralistas-debocham/

Valor Econômico – Política

Ruralistas vaiam anúncio de morte

Daniela Chiaretti | De São Paulo

Era perto das 16h quando uma cena grotesca aconteceu no plenário da Câmara dos Deputados. O líder do Partido Verde, José Sarney Filho, lia uma reportagem sobre o extrativista José Claudio Ribeiro da Silva, brutalmente assassinado pela manhã no Pará, junto com sua mulher Maria do Espírito Santo da Silva, também uma liderança amazônica. Ao dizer que o casal que procurava defender os recursos naturais havia morrido em uma emboscada, ouviu-se uma vaia. Vinha das galerias e também de alguns deputados ruralistas.A indignidade foi contada no Twitter e muito replicada. “Foi um absurdo o que aconteceu”, diz Tasso Rezende de Azevedo, ex-diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro. “Ficamos estarrecidos”.

O assassinato de Zé Claudio, como era conhecido, e de Maria do Espírito Santo aconteceu às 7h da manhã, a 50 km de Nova Ipixuna, sudeste do Estado, na comunidade de Maçaranduba. “Eles vinham no carro deles, indo para a cidade. Tinha uma ponte meio danificada no igarapé. Ele desceu para ver e ali foi a emboscada”, conta Atanagildo Matos, diretor da regional Belém do Conselho Nacional das Populações Extrativistas, o ex-Conselho Nacional dos Seringueiros. Zé Claudio foi morto fora do carro, Maria foi baleada dentro do veículo. Uma orelha foi arrancada pelos pistoleiros, conta Atanagildo, o primeiro a ser avisado por Clara Santos, sobrinha de Zé Claudio.

O casal vinha sofrendo ameaças desde 2008. “É um área muito tensa, que vinha sofrendo muita pressão de madeireiros e carvoeiros”, conta Atanagildo. “Era a última área da região com potencial florestal muito bom. Zé Claudio e Maria resistiam muito ao desmatamento.” Os dois viviam em Nova Ipixuna há 24 anos, em um terreno de 20 hectares no Projeto de Assentamento Agroextrativista (Paex) Praialta- Piranheira, às margens do lago de Tucuruí. Extraíam óleo de andiroba e castanha. Em palestra em novembro, no evento TEDx Amazônia, Zé Claudio denunciava o desmate. “É um desastre para quem vive do extrativismo como eu, que sou castanheiro desde os 7 anos da idade, vivo da floresta e protejo ela de todo jeito. Por isso, vivo com a bala na cabeça, a qualquer hora”.

Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência estava no Fórum Interconselhos quando um dirigente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) deu a notícia. Foi ao Palácio, relatou à presidente Dilma Rousseff e ela determinou ao ministro da Justiça José Eduardo Cardozo que a Polícia Federal apure o assassinato dos sindicalistas.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s